• Acordem!

Diminuição Populacional, Notícias, Vacinas da Covid

Grande executivo da indústria farmacêutica admite que o Departamento de Defesa dos EUA inventou o mRNA para despovoar o mundo

Baxter Dmitry – 2/04/2024

As vacinas de mRNA contra a COVID-19 foram deliberadamente concebidas para não conseguirem travar a transmissão do vírus, funcionando como uma bomba-relógio na biomassa humana, essencialmente “treinando o corpo para se destruir a si próprio”, de acordo com o testemunho bombástico de Alexandra “Sasha” Latypova, uma antiga executiva da Big Pharma.

Latypova confirmou os relatos de Robert F. Kennedy Jr. de que o Departamento de Defesa dos EUA (DoD) estava envolvido no desenvolvimento do mRNA nos bastidores e tinha “uma intenção muito clara de causar danos”, executando um “genocídio em massa de americanos”.

Sob o controlo e a direção do DoD, os gigantes farmacêuticos, incluindo a Pfizer, a Moderna e a Janssen, começaram a produzir em massa as injecções para a Operação Warp Speed – muito antes de os primeiros casos de Covid terem sido relatados pelos histéricos meios de comunicação social.

Estas empresas farmacêuticas “figura de proa”, insiste Latypova, estavam apenas a obedecer às ordens do DoD.

O que isto significa é que os militares dos Estados Unidos supervisionaram a criação e o lançamento destas “contramedidas covid”, como foram classificadas antes de serem erradamente apelidadas de “vacinas”. Foi por isso que lhe chamaram Operação Warp Speed: porque se tratava de uma operação de guerra militar e não de uma operação de “saúde pública”.

Os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) e a Food and Drug Administration (FDA) também desempenharam o seu papel, acelerando a autorização de utilização de emergência (EUA) para os medicamentos mortais, seguida da aprovação oficial de alguns deles – e o resto é história.

Em dezembro, Latypova explicou tudo isto numa vídeo-aula forense.

As injecções de Covid treinam o corpo “para se destruir a si próprio”, adverte Latypova.

O ponto crucial da apresentação de Latypova afirma que o DoD, a Big Pharma e a Big Regulation (a FDA e o CDC) conspiraram entre si “para cometer assassinatos em massa por meio de operações de bioterrorismo e guerra de informação em todo o mundo”.

“As provas são esmagadoras de que há uma intenção de prejudicar as pessoas com as injecções de covid-19, as chamadas ‘vacinas’ e outras medidas absurdas de resposta à covid-19 implementadas em sintonia com os governos de todo o mundo”, afirmou.

Mais uma vez, não é que as injecções tenham sido concebidas para ajudar as pessoas, mas por acaso são perigosas. Latypova afirma que foram concebidas propositadamente como uma arma biológica contra as pessoas, o que, segundo ela, é comprovado por um vasto conjunto de literatura, estudos, discussões científicas e provas publicadas sobre esta matéria.

“Existem inúmeros mecanismos de lesão incorporados nas injecções de covid-19”, explicou ainda. “O mais importante é o facto de estas injecções serem concebidas para fazer com que as células se ataquem a si próprias, para fazer com que as células expressem antigénios que são proteínas tóxicas e para criar anticorpos para atacar as células. Assim, treinam o vosso corpo para se destruir a si próprio”.

Não há nada de seguro, e muito menos de eficaz, nestas injecções – a não ser que o verdadeiro objetivo fosse diminuir lenta mas seguramente a população mundial. Nesse caso, as injecções estão a funcionar exatamente como foram concebidas – e o pior ainda está para vir.

Desde o início, os sinais de segurança eram “óbvios”, diz Latypova. E, no entanto, ninguém em qualquer posição de poder pareceu notar, ou talvez tenham deliberadamente ignorado estes sinais de segurança porque o objetivo era reduzir a população.

“Não há eficácia nestas vacinas”, revela Latypova. “De facto, sabemos que existe uma eficácia negativa, o que significa que estas vacinas aumentam a probabilidade de adoecer e morrer.”

Durante a produção das vacinas, as boas práticas de fabrico (BPF) foram completamente ignoradas, também aparentemente de propósito, para garantir ainda mais o resultado mortal do produto. Se as normas de segurança adequadas tivessem sido respeitadas, as vacinas poderiam ter acabado por ser menos mortais, o que teria ido contra a agenda.

“Descobrimos que estes produtos estão sujos, contaminados, não estão de todo em conformidade com o que diz o rótulo”, diz Latypova. “E são extremamente tóxicos por conceção”.

thepeoplesvoice.tv/big-pharma-exec-admits-mrna-trains-the-body-to-destroy-itself/

Partilhar:

Outros Artigos:




Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mostrar botões
Esconder botões