• Acordem!

Afeganistão, CIA, Dir e Liber-Retirada, Notícias

Direitos das mulheres no Afeganistão: “Antes” e “depois” das guerras destrutivas dos Estados Unidos

Por Michel Chossudovsky – 8 de Março de 2024

Antes da “insurgência islâmica” patrocinada pela CIA contra o povo do Afeganistão.

“Antes”

Sem o conhecimento dos americanos, nos anos 70 e início dos anos 80, Cabul era “uma cidade cosmopolita. Artistas e hippies afluíam à capital. As mulheres estudavam agricultura, engenharia e comércio na universidade da cidade. As mulheres afegãs tinham empregos no governo”.

“Antes da ascensão dos Taliban [que foi instrumentalizada pela CIA], as mulheres no Afeganistão estavam protegidas pela lei e tinham cada vez mais direitos na sociedade afegã. As mulheres obtiveram o direito de voto na década de 1920 e, já na década de 1960, a Constituição afegã previa a igualdade para as mulheres. A tolerância e a abertura eram uma constante à medida que o país se aproximava da democracia.

As mulheres estavam a dar importantes contributos para o desenvolvimento nacional. Em 1977, as mulheres representavam mais de 15% do mais alto órgão legislativo do Afeganistão. Estima-se que, no início da década de 1990, 70% dos professores, 50% dos funcionários públicos e dos estudantes universitários e 40% dos médicos de Cabul eram mulheres”. (Gabinete de Democracia e Direitos Humanos, Departamento de Estado dos EUA, 2001, a ligação já não funciona).

Uma loja de discos em Cabul

Uma aula de biologia mista na Universidade de Cabul

Estudantes universitárias, início da década de 1970

Mulheres a trabalhar num dos laboratórios do Centro de Investigação de Vacinas

Mães e filhos a brincar num parque da cidade – sem acompanhantes masculinos

Início sob Reagan. Derrogação dos direitos das mulheres. Destruição de um país inteiro.


“Depois”


Osama bin Laden, o bicho-papão da América, foi recrutado pela CIA em 1979, logo no início da jihad patrocinada pelos EUA.

Tinha 22 anos e foi treinado num campo de treino de guerrilheiros patrocinado pela CIA. Os arquitectos da operação secreta de apoio ao “fundamentalismo islâmico”, iniciada durante a presidência Reagan, desempenharam um papel fundamental no lançamento da “Guerra Global contra o Terrorismo” (GWOT) na sequência do 11/9.

Sob a administração Reagan, a política externa dos EUA evoluiu para o apoio incondicional e a aprovação dos “combatentes da liberdade” islâmicos. No mundo atual, os “combatentes da liberdade” são rotulados de “terroristas islâmicos”.

O Presidente Reagan e os líderes Mujahideen do Afeganistão, década de 1980

A guerra soviético-afegã


A guerra soviético-afegã fazia parte de uma agenda secreta da CIA iniciada durante a administração Carter, que consistia em apoiar e financiar ativamente as brigadas islâmicas, mais tarde conhecidas como Al Qaeda.

O número de escolas religiosas patrocinadas pela CIA (madrasahs) aumentou de 2.500 em 1980 para mais de 39.000. A USAID financiou generosamente o processo de doutrinação religiosa, em grande parte para garantir o desaparecimento das instituições seculares e o colapso da sociedade civil.

Na língua Pashtun, a palavra “Taliban” significa “Estudantes”, ou seja, diplomados das madrasahs (locais de ensino ou escolas corânicas) criadas pelas missões wahhabitas da Arábia Saudita, com o apoio da CIA.

“Os Estados Unidos gastaram milhões de dólares para fornecer às crianças afegãs livros escolares repletos de imagens violentas e ensinamentos islâmicos militantes….

As cartilhas, que estavam cheias de conversas sobre a jihad e apresentavam desenhos de armas, balas, soldados e minas, têm servido desde então como o currículo principal do sistema escolar afegão. Até os Taliban utilizaram os livros produzidos pelos americanos ….

As imagens [nos] textos são horríveis para os alunos, mas os textos são ainda piores”, disse Ahmad Fahim Hakim, um educador afegão [que trabalha com] uma organização sem fins lucrativos sediada no Paquistão.

Um trabalhador humanitário da região analisou um livro de 100 páginas não revisto e contou 43 páginas com imagens ou passagens violentas.

Publicados nas línguas afegãs dominantes, o dari e o pashtu, os manuais foram desenvolvidos no início da década de 1980 ao abrigo de uma subvenção da AID à Universidade de Nebraska-Omaha e ao seu Centro de Estudos do Afeganistão. A agência gastou 51 milhões de dólares nos programas de educação da universidade no Afeganistão de 1984 a 1994.” (Washington Post, 23 de março de 2002)

“Anúncios, pagos com fundos da CIA, foram colocados em jornais e boletins informativos em todo o mundo oferecendo incentivos e motivações para aderir à Jihad [islâmica].” (Pervez Hoodbhoy, Peace Research, 1 de maio de 2005)

“Bin Laden recrutou 4.000 voluntários do seu próprio país e desenvolveu relações estreitas com os líderes mujahideen mais radicais. Também trabalhou em estreita colaboração com a CIA, … Desde 11 de setembro [de 2001] que os funcionários da CIA afirmam não ter qualquer ligação direta com Bin Laden.” (Phil Gasper, International Socialist Review, novembro-dezembro de 2001)

Direitos das mulheres, pobreza e desespero


Os meios de comunicação social atribuem casualmente a culpa aos Talibãs, sem reconhecer que o fundamentalismo islâmico e as escolas corânicas foram impostos pela CIA.

O ensino público foi destruído e os direitos das mulheres, numa sociedade predominantemente secular que teve as suas raízes na década de 1920, foram DESTRUÍDOS.

Esta destruição está associada ao empobrecimento maciço e ao desaparecimento de todo um país, berço da civilização da Ásia Central que remonta a 3000 a.C.

“Antes” e “Depois”


Uma ação criminosa. Quem está por detrás dele?


“Um país outrora próspero foi precipitado na pobreza extrema e no desespero. É um crime contra a humanidade.

De acordo com a ONU, o Afeganistão está atualmente a sofrer uma grande escassez de alimentos e fome.

É preciso compreender que esta guerra começou há mais de 40 anos, em 1979, com o recrutamento pela CIA de mercenários jihadistas (Al Qaeda) financiados pelo comércio de estupefacientes.

O objetivo final era destruir o Afeganistão como um Estado-nação progressista e independente, empenhado na educação, na cultura e nos direitos das mulheres”.

O que os media descrevem como “políticas tirânicas dos Talibãs” tem as pegadas da CIA, que impôs o fundamentalismo islâmico, ao mesmo tempo que engendrava o colapso e o empobrecimento de um Estado-nação secular progressista.

O Presidente Ronald Reagan emitiu (e assinou) a National Security Decision Directive 166 (NSDD 166), que autorizava de facto “a intensificação da ajuda militar encoberta aos Mujahideen”, bem como o apoio da CIA à doutrinação religiosa.

A promoção do “Islão Radical” foi uma iniciativa deliberada da CIA (NSDD 166) que, na sequência do 11 de setembro, serviu de justificação para travar uma “Guerra Global contra o Terrorismo” (GWOT) no Médio Oriente, na Ásia Central, no Sudeste Asiático e na África subsariana.

Ler o artigo completo em Michel Chossudovsky Substack.

healthimpactnews.com/2024/womens-rights-in-afghanistan-before-and-after-americas-destructive-wars/

Partilhar:

Outros Artigos:




Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mostrar botões
Esconder botões