• Acordem!

ap-Vaticano II, Notícias, Poder da Oracão, Rússia

A consagração da Rússia pelo Papa Francisco NÃO cumpriu o pedido de Nossa Senhora | Christopher Ferrara

https://www.bitchute.com/video/dlcZaqhp95rx/

Pe. Nicholas Gruner

Mais uma vez, obrigado pela introdução e obrigado a si e à sua equipa do Lifesite por me trazerem a esta importante conferência. Hoje tenho a honra de vos falar em nome do Centro de Fátima. Trata-se de um apostolado fundado pelo Padre Nicholas Gruner, meu amigo e mentor, que dedicou toda a sua carreira sacerdotal de quase 40 anos a divulgar a mensagem, a mensagem de Fátima. Tenho muitas recordações agradáveis do Padre Gruner. Gosto de dizer que adquiri o equivalente a um mestrado em teologia apenas ouvindo-o à mesa da sua cozinha. Mas hoje não me dirijo a vós como advogado. Não me dirijo a vós na qualidade de conselheiro da Thomas Moore Society, nem me dirijo hoje a vós para falar de conflitos no tribunal sobre direitos constitucionais. O conflito de que estou aqui para falar é muito mais vasto do que qualquer escaramuça numa sala de tribunal. É claro que estamos a falar do que S. Paulo disse aos Efésios quando os avisou sobre a batalha espiritual que está a decorrer. Aquilo com que estamos a lutar hoje, obviamente, é aquilo a que ele chamou os espíritos da maldade nos lugares altos. Mas nunca antes vimos esses espíritos nos lugares altos nos próprios cumes da Santa Igreja Católica. E devo ao Padre Gruner o facto de ter aprendido sobre a mensagem de Fátima e de estar aqui hoje perante vós para vos falar sobre este assunto. Lembro-me do que o Cardeal Ratzinger disse uma vez sobre o Padre Gruner. Ele é uomo serio, um homem sério, e isso ele era.

Ora, o tema desta conferência é uma aliança anti-globalista que reinicia o mundo em Cristo. Mas o regresso, Mutatus Mutandis, da realeza social de Cristo sobre os homens e nações, esse é o verdadeiro grande reset. Como dizia o grande Romano Armerio, já falecido, a fé na Providência divina exige que acreditemos que, embora o mundo seja incapaz de uma metanoia, ou seja, de a iniciar ele próprio, responderia, e uma grande metanoia aconteceria se a Igreja a oferecesse. Pensemos na milagrosa reconversão do mundo ocidental após as invasões bárbaras e a queda do Império Romano. Como observou Christopher Dawson, a corrente da graça divina corre por baixo do deserto da modernidade e pode reemergir de novo para dar nova vida a um solo estéril.

Fátima

E isso leva-nos ao título da minha palestra, a Mensagem de Fátima, o grande reinício em Cristo. A minha tese é simples. Os pedidos de Nossa Senhora de Fátima, realizados nas nossas vidas individuais e corporativamente na Igreja, são precisamente o convite à metanoia social que pode levar à reconversão da antiga Cristandade, a Mãe de Deus, não desperdiçou palavras em Fátima. Ela não nos deu platitudes piedosas, mas sim a prescrição para um milagre civilizacional que, como observou Antonio Socci, faria esquecer até mesmo a momentosa vitória sobre o Islão na Batalha de Lepanto. Agora, a título de tática, no meio da atual crise eclesial sem precedentes, há, claro, resistência às novidades destrutivas dos últimos 60 anos, incluindo as que agora emanam deste Papa e do seu aparelho do Vaticano. E essa resistência não é apenas necessária, mas moralmente obrigatória. Mas, em última análise, revelar-se-á insuficiente para trazer uma restauração eclesial sem a qual o mundo não pode ser salvo da autodestruição. Como este desastroso pontificado é demonstrado por todas as medidas, as coisas estão demasiado longe na Igreja e correspondentemente no mundo secular, para que qualquer movimento eclesial de resistência tenha sucesso em algo mais do que preservar ilhas de sanidade no meio de um mar eclesial de insanidade, precisamente a situação em que os opositores da heresia ariana se encontraram. Mas a mensagem de Nossa Senhora de Fátima, que com concisão celeste, resume todos os elementos da fé que foram suprimidos na crise atual. Nela encontramos uma solução universal para essa crise, atrás da qual todos deveríamos unir os nossos esforços, o que não significa de modo algum diminuir o trabalho dos muitos e excelentes apostolados católicos que atingem determinados sectores da Igreja. Mas o que é necessário, em última análise, é o regresso de um estado de coisas eclesial em que exista apenas um círculo eleitoral na Igreja, e não mais círculos eleitorais conservadores, liberais e tradicionalistas a disputar posições no meio desta confusão sem precedentes. Nunca antes na história da Igreja vimos uma tal divisão tripartida na Comunidade eclesial, mas sim uma circunscrição integral da fé católica tradicional em todos os aspectos do que foi transmitido desde os tempos apostólicos. Só então poderemos dizer que a Igreja foi restaurada, em vez de estarmos a ser tratados aqui e ali para os sintomas de uma doença subjacente furiosa que atualmente não dá sinais de diminuir, mas parece estar a piorar devido a este pontificado.

Bento XVI

E aqui eu contrastaria o pontificado de Bento XVI com o atual desastre, com alguns simples actos de governação, libertando a Missa tradicional do seu absurdo cativeiro babilónico, levantando as excomunhões dos bispos da Sociedade de São Pio X, e corrigindo algumas das mais flagrantes traduções erradas do texto litúrgico básico da Novus Ordo. Com apenas estes poucos actos de governação, o Papa Bento XVI desencadeou o início de uma restauração maciça na Igreja. Lembro-me de ir em peregrinação pela Europa aos lugares onde a Missa era absolutamente proibida, a Missa de todos os tempos. E, de repente, todas as portas se abriram. Parecia-nos prometedor. Parecia que a Restauração tinha de facto começado. Mas depois demitiu-se. E o que aconteceu foi comparado ao efeito de não tomar um curso completo de antibióticos.

Crise da Igreja e do Estado

Tivemos uma infeção de ressalto com este Papa, e agora a situação está pior do que nunca. Assim, espero convencer-vos de que todas as organizações e líderes católicos devem unir-se para promover a mensagem de Fátima, para além das suas próprias contribuições para a causa da restauração. Porque estamos numa encruzilhada. A situação na Igreja e no mundo como um todo é aparentemente irremediável. Se cada um de nós continuar a fazer o que está a fazer, conseguiremos algumas vitórias. Talvez consigamos manter viva uma comunidade de missa latina apesar de Francisco. Salvaremos da destruição uma ordem religiosa tradicional. Talvez evitemos um sínodo que de facto negue um artigo divino de fé católica. Ou, no domínio secular, podemos eleger um bom político. Sabemos de quem estamos a falar, mas nós não vamos parar a tendência descendente que temos vindo a viver há mais de 60 anos. Isto é o que o Cardeal Ratzinger chamou um processo contínuo de decadência desde o Concílio Vaticano II. E o que Nossa Senhora de Fátima prometeu em Fátima é mais do que uma ação de contenção contra um ataque dos bárbaros por todos os lados. Ela prometeu repelir os bárbaros e restaurar durante o tempo que lhe aprouver, Cristo, o Rei, antes do advento do Anticristo. Nos últimos dias, a boa ordem da Igreja e a paz no mundo, a intercessão da Mãe de Deus, é capaz de nada menos. Falemos brevemente sobre esta crise, a dupla crise da Igreja e do Estado. Não preciso de convencer ninguém nesta sala de que na Igreja e, consequentemente, no mundo, assistimos atualmente a um estado de coisas que só pode ser chamado de apocalítico. Não no sentido do apocalipse, o fim da história, mas no sentido de uma revelação, que é a raiz do significado da palavra Apocalipse, uma revelação de coisas que estão a acontecer na Igreja e no mundo que conduziram ao que parece ser um estado terminal de decadência.

Sínodo sobre a Sinodalidade

E isso inclui um processo sinodal centrado em Roma, presidido pelo próprio Papa, que o Cardeal Mueller descreveu corretamente como uma aquisição hostil da Igreja de Jesus Cristo. Nunca, absolutamente nunca na história da Igreja houve um desenvolvimento deste género. Agora, quando ouço a palavra Sínodo, penso imediatamente num aceno ao pecado. (nod to sin) E quando penso no tema do Sínodo, vem-me à mente aquele diddy dos Beatles. Tudo o que estão a dizer é: dêem uma oportunidade ao pecado. É disso que se trata, literalmente, este Sínodo. Nunca vimos tal coisa na história da Igreja.

Agora, é claro, sabemos que desde o Vaticano II, os padres e os religiosos estão a morrer. Há poucas vocações para os substituir. A vida sacramental dos católicos implodiu. Os casamentos e os baptismos católicos caíram de um penhasco. No início do Concílio, 75% dos meus concidadãos americanos iam à missa todas as semanas. Atualmente, apenas 17% o fazem. E entre os muito poucos que vão à missa todas as semanas, estes são os que ainda praticam a fé. Quase metade não acredita na presença real de Nosso Senhor na Eucaristia. Poderemos encontrar a fé intacta nos nossos próprios barcos salva-vidas eclesiais, nos mares agitados de uma insurreição neomdernista que ofusca até mesmo a crise ariana na sua profundidade e amplitude. Mas e o resto do corpo místico?

E depois temos este pontificado (profundo silêncio…), um salto quântico no processo de decoerência eclesial, assinalado pelo Cardeal Ratzinger. Dizer que Francisco tem sido prejudicial para a Igreja é quase trivializar o seu impacto calamitoso na Comunidade eclesial. Ao que parece, ele está determinado a não deixar nenhum aspeto da Igreja histórica reconhecível ou mesmo recuperável no final do seu pontificado. Quantas vezes ouvimos, gabando-se em seu nome, que ele pretende fazer mudanças que não podem ser revertidas? Agora, se essa afirmação parece extravagante, deixemos Francisco acusar-se a si próprio. Citando Yves Congar, eis o que ele disse. Não há necessidade de criar outra Igreja, mas de criar uma Igreja diferente. Mas uma Igreja diferente não é outra Igreja? Trata-se de um duplo discurso modernista, que, convenhamos, um papa que se enquadra na definição de modernista. Agora, já nos tornámos um pouco insensíveis aos repetidos choques ao corpo místico que este papa tem administrado. Mas antes de Francisco entrar em cena, quem entre nós poderia ter imaginado um papa que

1) poderia reduzir os preceitos negativos do decálogo, incluindo o 6º mandamento, a um conjunto de regras das quais se pode ser desculpado com base em circunstâncias concretas? Haverá aqui alguém cuja vida não envolva circunstâncias concretas? Eu gostaria de saber. Todos nós temos circunstâncias concretas. Esta é uma receita para a ética da situação.

Em segundo lugar, abre a porta da santa comunhão aos que vivem em uniões adúlteras.

Terceiro, denuncia incessantemente os fiéis católicos como ideólogos rígidos. Ao mesmo tempo, honra aqueles que atacam a doutrina católica sobre o matrimónio, a família, o vício contra natura, etc., com audiências pessoais, cartas de louvor e sessões fotográficas. Entregou milhões de fiéis da Igreja clandestina aos seus perseguidores na China comunista. Apoia os governos de todo o mundo quando estes negam aos fiéis católicos o acesso à Missa e a outros sacramentos em resposta a uma doença semelhante a uma gripe. E exigiu que os fiéis se submetessem a vacinas experimentais, que, como todos sabemos, provaram ser piores do que inúteis. E vimos que ele participa na adoração de ídolos pagãos na Basílica de São Pedro, ao mesmo tempo que propõe a criação de novos ritos de missa com elementos pagãos. Tem como alvo as sociedades religiosas tradicionais para as comissionar e depois destruir, e a tentativa mais arrogante de todas. Ele procura abolir o rito tradicional da Missa, aprovado e recebido na Santa Igreja Católica de origem apostólica, que tem alimentado o Concílio dos Santos, e é a base litúrgica da Cristandade, que ninguém mais do que Lutero trabalhou para destruir, porque sabia que se conquistasse essa Missa, poderia conquistar o poder do papado. Agora temos um Papa que parece determinado a conquistar ele próprio o poder do papado. Ao mesmo tempo que abusa dele de uma forma sem precedentes. Tenta promover a tolerância institucional e mesmo a aceitação das chamadas uniões baseadas no adultério, fornicação e sodomia, negando na prática preceitos morais revelados pelo próprio Deus. Ele nomeia como chefe doutrinário. um homem cuja principal reivindicação de fama é um livro intitulado Cura-me com a tua boca, a arte de beijar. Ele acorrenta a Igreja. Isto é o mais irritante para mim, apesar de tudo o resto, da insanidade da religião da mudança climática, proferindo declarações patentemente ridículas sobre o ambiente em que não tem qualquer competência.

Heresia modernista

Ora, todo o programa deste pontificado imensamente destrutivo pode ser resumido nas recentes declarações de Francisco a um entrevistador argentino. Cito, a Igreja tem de mudar. É a progressão teológica da teologia moral e de todas as ciências eclesiásticas, mesmo na interpretação das Escrituras que progrediram de acordo com os sentimentos da Igreja, fim de citação. É esta a essência da heresia modernista. Tudo deve mudar. Em quê? Bem, não sabemos. Nunca sabemos para onde estamos a ir até lá chegarmos, mas nunca lá chegamos. Romano Romerio chamou a isto mobilismo, a busca incessante de um estado final que é constantemente colocado à nossa frente como a proverbial cenoura num pau. Entretanto, tudo o que nos rodeia é alterado em nome da mudança, em prol da mudança. Mais uma vez, a essência do modernismo. Agora, as gerações passadas de católicos poderiam ter-se levantado contra um papa assim, mas a atual companhia e alguns outros grupos e indivíduos aceitaram. A maior parte das pessoas continua com as suas vidas. Encolhem os ombros, ou pensam: “Francisco é simplesmente maravilhoso”.

Mas estaríamos enganados se atribuíssemos a culpa desta situação apenas a Francisco, ou mesmo em grande parte a Francisco. Sabemos que o estado atual da Igreja está a ser construído há muito tempo. É fruto da Maçonaria, do Protestantismo, do comunismo ateu e, sobretudo, dentro da Igreja, do modernismo. Tudo culminando naquilo que, como o Cardeal Suenens famosamente admitiu, foi a Revolução Francesa. Na Igreja, ouvimos falar do pacto das Catacumbas. Sabe, os revolucionários franceses tinham um pacto secreto chamado Juramento do Campo de Ténis, por isso há um paralelo aí. Mas vejam o texto do pacto das Catacumbas, no qual eles fazem várias promessas a si próprios sobre como vão conceder riquezas e privilégios. Acho que há doze ou 13 itens que eles não fizeram uma única dessas coisas. Eles mantiveram os seus privilégios e o seu poder, do qual continuam a abusar. O juramento foi um espetáculo vazio. Foi uma fogueira de vaidades. Agora, este pontificado, portanto, é apenas a consequência, a consequência lógica, de uma nova teologia revolucionária, uma nova moralidade e, em geral, uma nova orientação agora ascendente dentro de grande parte do elemento humano da Igreja, mesmo nos seus próprios cumes.

Sociedade em crise

Voltando-nos para o mundo, como na Igreja, a crise no mundo é devastadora e horrível. Uma vez que as nações cristãs sofreram uma perda completa da moralidade, a modéstia e a decência são praticamente inexistentes. A pornografia, a contracepção, o aborto, a homossexualidade, a transexualidade e o tráfico humano são normalizados. As práticas ocultas e satânicas estão a aumentar, sem o controlo da lei ou do sentimento público. As nossas sociedades estão mais divididas do que nunca. Todas as instituições públicas estão decadentes e à beira do colapso. A educação, os cuidados de saúde, os meios de comunicação social, o governo, os imigrantes sem documentos chegam aos milhões à Europa e à América do Norte. E aqui está um paradoxo. Fronteiras abertas para os estrangeiros ilegais, aumentando as restrições às viagens para si e para mim. A estratégia do dinheiro livre ameaça resultar no derradeiro colapso económico. Então, uma vez ridicularizada como uma teoria da conspiração da direita, a grande redefinição é agora abertamente defendida pelo mais ímpio dos homens, não eleito, sem responder a ninguém. O estado profundo que acusou Donald Trump quatro vezes por disparates, por crimes inventados, e também o tem em julgamento num tribunal civil onde um juiz louco em Manhattan pensa que pode alienar todo o império Trump após um julgamento de bancada em que não apareceram vítimas.

Portanto, a agenda aqui é a consolidação do poder global, o despovoamento assassino, a redução de todos nós à condição de servos digitalizados, inaugurando o paraíso terrestre da perfeita neutralidade de carbono. Ora, como admitiu o Papa Bento XVI nas suas Saudações de Natal de 2010, a nossa situação atual é semelhante à do Império Romano no momento da sua queda. Como ele disse, o consenso moral está a desmoronar-se. Consenso sem o qual as estruturas jurídicas e políticas não podem funcionar. Por conseguinte, isto é fundamental. As forças mobilizadas para a defesa de tais estruturas, incluindo nós, parecem condenadas ao fracasso. E se tudo isso vos parece remoto e incrível a guerra que nos atinge é na Europa de Leste e no Médio Oriente, e ambos os conflitos têm o potencial de se tornarem uma conflagração global. Estamos agora no precipício da Terceira Guerra Mundial. Por isso sabemos que na Igreja e no Estado, se formos honestos connosco próprios, atingimos, humanamente falando, o ponto de não retorno. Um novo papa como Francisco II, que, Deus nos livre, um novo presidente, um novo primeiro-ministro, um novo programa político, não reverterá o declínio terminal.

O que precisamos é daquilo a que só podemos chamar um milagre, uma intervenção divina. Só Deus pode resolver o estado de coisas que resultou da apostasia dentro e fora da Igreja. Mas o nosso Deus é bom desde toda a eternidade. Ele viu as calamidades sem precedentes que agora assolam tanto a Igreja como o Estado. Em resposta, enviou a Santíssima Virgem Maria para três pastorinhos em Fátima, Portugal, em 1917. Embora as coisas estejam demasiado longe para uma solução humana, nunca é tarde para recorrer a Nosso Senhor através da sua Mãe Santíssima. E esta é a oferta feita à Igreja pelo próprio Deus em Fátima. Agora, o tempo não me permite passar em revista todos os acontecimentos importantes da história de Fátima no ano de 1917. Pois bem. Diante de vós, alguma literatura que vos foi fornecida, um panfleto intitulado “Fátima em resumo”, espero que usem essa literatura para se familiarizarem com o assunto, na medida em que não o conheçam, e tentem obter essa literatura também para outros. Mas basta dizer, para efeitos do presente, que no decurso de seis aparições aos três videntes, Lúcia, Francisco e Jacinta, entre 13 de maio e 13 de outubro de 1917, Nossa Senhora transmitiu uma mensagem ainda mais relevante e urgente hoje do que no auge da Revolução Bolchevique e da propagação dos erros da Rússia por todo o mundo no período que antecedeu a Segunda Guerra Mundial. Agora, vamos dispensar desde já a objeção de que Fátima é apenas uma revelação privada, que se pode pegar ou largar. Os factos da história e a aprovação hierárquica da mensagem de Fátima há muito que ultrapassou essa objeção.

Aparições de Fátima

Recordemos alguns pontos. Os videntes foram presos pelo presidente maçónico de Ourém, encarcerados e ameaçados de execução imediata se não se retratassem do que tinham visto e ouvido da Virgem. Eles recusaram. Esse não é o comportamento de mentirosos. Pelo contrário, parece-me ser uma imitação dos próprios apóstolos, que se entregaram à morte em vez de negarem que tinham visto o Senhor ressuscitado. Como se isso não bastasse para autenticar as aparições e convencer até os incrédulos. Como sabemos, Nossa Senhora prometeu um milagre para o dia 13 de outubro de 1917, ao meio-dia solar, o primeiro e único milagre programado na história da salvação. E as 70.000 pessoas que se reuniram para testemunhar o milagre do sol não ficaram desiludidas. Elas, juntamente com outras que estavam a quilómetros de distância da zona da Cova da Iria, viram o sol rodopiar no céu, uma roda de fogo que banhava a paisagem de cores, e depois mergulhou em direção à terra como se fosse incinerar toda a gente, secando instantaneamente o chão lamacento da zona da Cova da Iria, que tinha estado encharcado de chuva e as roupas das testemunhas. Houve curas e conversões instantâneas. Mas aqui está a certificação final. Hollywood fez um filme sobre isso. Até Hollywood teve de reconhecer que este não é uma pequena revelação privada esquecida, mas um acontecimento histórico mundial. Desde então, a hierarquia da Igreja tem aprovado formal e consistentemente a autenticidade das aparições de Fátima. Isto inclui os bispos locais, os bispos de Portugal, e, claro, os papas. Francisco e Jacinta foram canonizados. São os mais jovens santos católicos que não foram mártires. E o processo, a canonização de Lúcia está a decorrer. Todos os papas desde 1917 endossaram a autenticidade das aparições e da mensagem de Fátima. E em 2010, na sua peregrinação a Fátima, aqui está o que o Papa Bento XVI disse sobre o assunto. Desengane-se quem pensa que a missão profética de Fátima está concluída. Portanto, Bento XVI certamente não viu Fátima como uma revelação privada.

Terceiro Segredo de Fátima

E em 2010, durante essa mesma peregrinação, quando lhe perguntaram sobre o terceiro segredo de Fátima, e esta foi uma pergunta que ele pré-seleccionou para lhe ser colocada no avião durante o voo para Portugal. Eis o que ele disse sobre o segredo. Para além das circunstâncias de João Paulo II, são indicadas outras realidades que, com o tempo, se desenvolverão e se tornarão claras em termos do que hoje podemos descobrir nesta mensagem. Os ataques contra o Papa da Igreja não vêm apenas de fora da Igreja. O sofrimento da Igreja também vem de dentro da Igreja, porque o pecado existe na Igreja. Também isto sempre foi conhecido, mas hoje vemo-lo de uma forma verdadeiramente aterradora. In Modo Verimente terrificante. A maior perseguição da Igreja não vem de inimigos externos, mas nasce no pecado dentro da Igreja. A Igreja tem, portanto, uma profunda necessidade de reaprender a penitência, de aceitar a purificação, de aprender, por um lado, o perdão, mas também a necessidade da justiça. O perdão não exclui a justiça, dificilmente a mensagem deste ridículo sínodo. Temos de reaprender o essencial, disse ele, a conversão, a oração, a penitência e as virtudes teologais. Assim, como vos mostrei, Bento vê em a mensagem de Fátima precisamente um forte aviso sobre as consequências do abandono tão evidente no ridículo processo sinodal dos próprios fundamentos da fé católica. E quando eu abordar a visão com mais pormenor, a visão do terceiro segredo sobre a qual ele foi questionado, verão exatamente porque é que há muito mais no terceiro segredo de Fátima do que fomos levados a acreditar.

Recordo também aqui a admissão de João Paulo II em Atravessar o limiar da esperança, em que admitiu que a pregação de uma catequese sobre as últimas coisas, a morte, o juízo, o céu e o inferno, foi abandonada na época pós-conciliar. E os ministros da Igreja, cito, perderam a coragem de pregar a ameaça do inferno. Por outras palavras, perderam a coragem de salvar almas. Foi essencialmente isso que ele admitiu. Em vez da escatologia da alma do indivíduo, o seu destino, a condenação eterna ou a eterna felicidade na companhia de Deus. O que temos agora, como João Paulo II admitiu na mesma entrevista, é uma espécie de escatologia comunitária, o povo de Deus em peregrinação. E ele diz que nesta nebulosa escatologia, o indivíduo perde-se de facto. Mas o que está em causa é a salvação da alma do indivíduo. Essa é a missão da Igreja, salvar as almas do inferno. E é por isso que Nossa Senhora veio a Fátima.

Sinodíacos

Nada disto, claro, é de qualquer interesse para os Cenodiacs, como lhes chamo, a tagarelar nas suas mesas de bingo. Esta referência é feita pela mulher altamente perceptiva de John Ralph, que diz: “Isto não parece alguém a jogar bingo na cave de uma igreja? Agora, pelo contrário, como nos avisa o Cardeal Mueller, a conversa deles em Aula Paolo Sesto está a preparar o caminho para a aceitação da homossexualidade e da ordenação de mulheres. Citando o Cardeal, tudo está a ser virado ao contrário, de modo que agora temos de estar abertos à homossexualidade e à ordenação de mulheres. Se analisarmos tudo isto, trata-se de converter-nos a estes dois temas. Isto é o que está a acontecer na própria cúpula da Igreja.

Portanto, Fátima não é uma revelação privada. É uma revelação pública, profética, como lhe chamou o Padre Gruner, relativa precisamente à situação da Igreja e do Estado que agora nos confronta. O que é a essência da mensagem de Fátima? É algo que os ouvidos comichosos dos sinodíacos não querem ouvir: o horror do pecado, as suas consequências temporais e eternas, e os meios de evitar a pior dessas consequências, o castigo global nesta vida e a condenação eterna na próxima, através de actos de reparação a serem praticados por cada indivíduo e pela Igreja universal. Como o Cardeal Mueller nos disse no seu resumo devastador do Sínodo recém-concluído, eles estão a mudar a definição de pecado. Para alguns deles, não há pecados. São apenas pessoas feridas. Não são pecadores. São pessoas feridas, feridas pela Igreja, pela doutrina da Igreja. Mas, claro, há ainda alguns pecados que este Papa reconhece e condena. Por exemplo, não reciclar, usar demasiado ar condicionado e recusar a vacina contra a COVID.

Assim, em Fátima, Nossa Senhora deixou claro que o pecado é real e o inferno é real. Mostrou às crianças uma visão do inferno e, como disse Lúcia, se não tivesse sido interrompida, elas teriam morrido de medo só de olhar para o que lhes tinha sido mostrado. Assim, tendo em conta estas realidades, a nossa senhora fez uma advertência que os sinodíacos pareciam determinados a deixar cair no esquecimento. As pessoas devem emendar as suas vidas e pedir perdão pelos seus pecados. Não devem ofender mais o Senhor, porque Ele já está demasiado ofendido. Ora, esta necessidade de verdadeira conversão perante a ira divina iminente, Anátema à mentalidade pós-conciliar, é o que está no coração da mensagem de Fátima. É também um tema importante ao longo das Escrituras na vida da Igreja. Consideremos S. João Batista, Jonas e os Ninivitas, e as reformas de Clooney, S. Francisco, S. Domingos, e assim por diante.

Mensagem de Fátima

[30:28] Arrependimento e actos de reparação e petição, não sínodos, é o que a Mãe de Deus entregou para o bem-estar das almas, o bem da Igreja, e o resgate do mundo da sua precipitação para o que o Papa Leão XII profeticamente descreveu como desastre final. Assim, recordemos o que a mensagem de Fátima prescreve para a salvação das almas e o salvamento do mundo de um castigo amplamente merecido.

Eficácia do Rosário

Antes de mais, obviamente, o Rosário. Em todas as seis aparições, Nossa Senhora pediu às crianças que rezassem o terço. Pediu-nos o mesmo que rezássemos o terço todos os dias. Nossa Senhora revelou à Irmã Lúcia que, nos nossos tempos, o Rosário tem tido uma eficácia especial. Conhecemos a Batalha do Lepanto e o papel que o Rosário desempenhou nesse milagroso triunfo. Talvez tenham lido sobre o Cerco de Viena, em que o capelão da Santa Liga, o Padre Marco d’Aviano, disse às forças que lutavam contra o Islão para rezarem o Rosário, e obtiveram uma vitória milagrosa, repelindo o Islão da Europa, pondo fim à ameaça militar do Islão ao continente europeu até aos nossos dias. E nos tempos modernos, vemos a inexplicável saída dos soviéticos do Leste da Áustria em 1955, um exemplo da eficácia especial do Rosário nos nossos tempos. Até hoje, historiadores e cientistas políticos não conseguem explicar porque é que os soviéticos fizeram as malas e deixaram a Áustria Oriental. Talvez tenha tido algo a ver com o facto de um milhão de pessoas se terem envolvido numa manifestação do Rosário para a expulsão dos soviéticos. Agora, na Igreja, o Sommorum Pontificum foi emitido depois de uma cruzada de rosários que envolveu mais de um milhão de rosários, tal como o levantamento das excomunhões dos bispos da Sociedade de São Pio X. O poder do Rosário ultrapassa todas as intervenções de movimentos humanos por si só, não importa quão nobremente intencionados sejam esses movimentos.

Devoção ao Imaculado Coração de Maria

Em segundo lugar, o Imaculado Coração de Maria. A devoção ao Coração Imaculado. Durante a aparição de 13 de junho de 1917, Nossa Senhora envolveu as crianças numa grande luz de graça e revelou-lhes o seu Coração Imaculado, trespassado por muitos espinhos, representando os pecados da humanidade. Nossa Senhora disse: “Deus quer estabelecer em todo o mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. A quem abraçar esta devoção, prometo a salvação. Estas almas serão queridas por Deus como flores colocadas por mim para adornar o seu trono. E aqui, também, encontramos um elemento de piedade católica que é anátema para a mentalidade pós-conciliar e para a chamada Igreja sinodal. O cumprimento da profecia de Fátima reside precisamente no triunfo do Coração Imaculado sobre as potências e os principados que dominam o mundo e se infiltraram na Igreja do nosso tempo. E isso não significa outra coisa senão o regresso da realeza social de Cristo, o Rei. No meu livro, Liberty of the God that failed, escrevo sobre um grupo de protestantes na década de 1860 que propôs emendar a Constituição para fazer um reconhecimento explícito da realeza social de Cristo. Eles queriam que o preâmbulo da Constituição dissesse que a vontade de Cristo é a lei revelada da terra. Se lerem as actas das convenções em que estes protestantes participaram, incluindo um juiz reformado do Supremo Tribunal, algumas das declarações nelas poderiam ter sido escritas pelo próprio Leão XIII. Essa proposta foi apresentada ao Presidente Lincoln, mas morreu na comissão do Congresso, pelo que o processo de alteração constitucional nunca chegou a ser iniciado. Mesmo os protestantes podiam reconhecer a necessidade de a realeza social de Cristo sobre a existência corporativa dos homens nas nações. E é disso que se trata o triunfo do Imaculado Coração de Maria.

Penitência

Em seguida, a necessidade de reparação. A devoção ao Coração Imaculado é inseparável do conceito de reparação por meio da penitência pessoal e dos actos públicos de reparação. A realidade do pecado significa não só que devemos deixar de pecar, mas também que temos de reparar os danos causados pelo pecado para a glória e a honra de Deus. Temos de reparar não só os nossos próprios pecados, mas também os pecados dos outros. E quem sabe quantas catástrofes já foram evitadas pelas penitências e actos de reparação de relativamente poucas almas num convento algures ou num mosteiro algures. Mas imaginem os efeitos de actos concertados de reparação por parte de milhões de católicos liderados pelo Papa e pelos bispos. A morte de Cristo é o maior ato de reparação jamais oferecido em nome da humanidade, obviamente. E Nossa Senhora estava perfeitamente unida a Nosso Senhor e ao seu sacrifício, e ofereceu a sua vida, a sua própria vida, como ato de reparação. Por isso, a oração e a penitência são os meios que cada um de nós pode oferecer para fazer reparação. Mas, quando a Irmã Lúcia perguntou a Nosso Senhor que penitência se poderia oferecer, não se referia a camisas de pelo ou a passar fome, mas simplesmente a cumprir os deveres de Estado. É essa a penitência.

E pode não parecer muito, mas dada a loucura generalizada que aflige o mundo de hoje, é preciso uma virtude heroica, apenas dirigir-se e agir modestamente, professar a verdadeira doutrina e cumprir o dever para com a família. E esta simples prescrição está muito longe das mentes dos sinodíacos, que parecem empenhados em eliminar o próprio conceito de pecado e de penitência e reduzir os mandamentos a meros desideratos, mais ou menos susceptíveis de realização consoante as circunstâncias. E lemos no documento verdadeiramente condenável, Amoris Laetitia.

Chegamos agora ao cerne da mensagem, o grande segredo de Fátima. De todas as aparições de Nossa Senhora em 1917, a que tem maior importância para os acontecimentos de hoje, foi a aparição de 13 de julho de 1917, que foi mais tarde autenticada pelo milagre do Sol. Durante essa aparição de 13 de julho, Nossa Senhora revelou o grande Segredo de Fátima, que consiste, como sabemos, em três partes. A primeira parte foi a visão do inferno que já mencionei. E sobre este Nossa Senhora disse: Vistes o inferno onde vão as almas dos pobres pecadores. Para as salvar. Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração.

Na segunda parte do segredo, temos a conhecida profecia de que se as pessoas não deixarem de ofender a Deus, então o mundo será castigado por meio da guerra, da fome e da perseguição à Igreja e ao Santo Padre isso aconteceu e está a acontecer hoje. Nossa Senhora previu que a Primeira Guerra Mundial terminaria. Mas depois, se a humanidade continuasse a ofender Deus, uma guerra pior iria rebentar, e essa foi, claro, a Segunda Guerra Mundial.

Mas ela prometeu que voltaria para pedir a consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora nos primeiros sábados. E disse numa profecia condicional: se os meus pedidos forem atendidos, a Rússia converter-se-á e haverá paz. Se não, espalhará os seus erros por todo o mundo, provocando guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados. O Santo Padre terá muito que sofrer. Várias nações serão aniquiladas. É claro que estamos a ver estas profecias a realizarem-se nos nossos tempos, exceto a aniquilação de várias nações. Essa seria, obviamente, a consequência final de não se dar atenção às nossas últimas prescrições. E, dentro de momentos, mostrarei como a visão que o Vaticano publicou relativa ao terceiro segredo parece estar relacionada com essa consequência final. Ora bem, a segunda parte do Grande Segredo terminou com uma certa profecia. Não condicional, mas certa. No fim, o Meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-Me-á a Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo um período de paz. Esperamos o cumprimento destas promessas. Elas acontecerão quando a Rússia for consagrada ao coração Imaculado de Nossa Senhora, e isso significará o regresso da Rússia à unidade da Igreja Católica. O místico e poeta Solovyov previu que haveria uma grande guerra, o Oriente contra o Ocidente, durante a qual a Rússia se reuniria de facto com a Igreja Católica, e o cisma de mais de 1000 anos de duração terminaria. E essa profecia de Solovyov foi emitida na viragem do século, na viragem do século XX. E esse será o triunfo do Coração Imaculado.

E sabemos que isso vai acontecer porque a Mãe de Deus prometeu que isso aconteceria. A única questão é quando terá lugar e qual será o estado do mundo quando isso acontecer. Será que um Papa irá realizar a consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria à beira de uma cratera de explosão que costumava ser Roma? Não sabemos, mas é óbvio que ainda não vimos nada que possa ser razoavelmente chamado de Triunfo do Imaculado Coração de Maria no mundo. Sabemos que os pedidos de Nossa Senhora para a comunhão de reparação nos primeiros sábados e a consagração da Rússia não foram cumpridos da maneira que o Céu espera.

História de Naamã

A propósito dessa consagração, lembro-me da referência do Padre Gruner à história de Naamã, o general sírio, de quem lemos no livro dos Reis, capítulo quinto, versículos 1 a 15. Deus deu uma ordem simples a Naamã através do seu profeta. Banha-te sete vezes no rio Jordão e a tua lepra ficará curada. Não seis vezes, sete vezes, não o rio que preferes, que achas que é melhor do que o lamacento rio Jordão, mas o rio Jordão. Sete vezes no rio Jordão, ele tentou substituir por outro rio. Não ficou curado. O seu profeta disse, em essência, o que tens a perder? Porque é que não ouves o que o profeta diz? E na sétima imersão após o banho no rio Jordão, a lepra de Naamã foi curada.

Consagração da Rússia

E o que é que esta lição bíblica nos ensina? Ela diz que quando o céu faz um pedido, você faz o que o céu pede. Não se fazem as nossas interpolações. Não se substitui um rio. Não substitui uma nação ou uma coisa. Faz-se exatamente o que Deus pediu. E em Fátima, Ele pediu a consagração da Rússia, nada mais, ao Imaculado Coração de Maria pelo Papa, em união com todos os bispos católicos a quem é ordenado que participem numa cerimónia pública solene. Uma consagração da Rússia e só da Rússia, não do mundo, não de toda a humanidade, não da juventude em busca de sentido é uma das fórmulas para as várias tentativas de João Paulo II mencionadas, mas simplesmente e só da Rússia. Por incrível que pareça, em pelo menos 14 ocasiões desde 1942, os papas falharam em levar a cabo a diretiva do Céu exatamente da maneira que a Mãe de Deus especificou. Em 1989, um memorando anónimo do Vaticano afirmou que João Paulo II tinha cumprido o pedido de Nossa Senhora. Em 1984, foi dito a toda a gente para apoiar a linha do partido. Isto apesar do facto de, após a consagração, o próprio João Paulo II ter reconhecido que Nossa Senhora ainda estava à espera da consagração que tinha pedido. Vejamos a história das tentativas de João Paulo II. Bem, vou recuar um pouco mais. Em 1942, só para vos dar a história destas tentativas, Pio XII consagrou toda a humanidade, não o que foi pedido. Mencionou de facto o povo da Rússia no Sacro vergente anno, uma carta apostólica. Mas não houve qualquer cerimónia pública e os bispos não participaram. Em 1981 e 1982, João Paulo II consagrou todo o género humano, não a Rússia. Em 1984, consagrou homens e nações que têm uma necessidade especial desta entrega e consagração. Não menciona a Rússia. Em 2000, consagrou, vejam só, todas as pessoas, os bebés que ainda não nasceram, os que vivem na pobreza e no sofrimento, os jovens em busca de sentido, os desempregados, os que sofrem a fome e a doença, as famílias em dificuldades, os idosos, todos os que estão sós e sem ajuda. Lembro-me de ter dito a um amigo meu, na altura, que deviam fazer uma cerimónia global no Vaticano em que dissessem: “Consagramos absolutamente tudo no mundo, exceto a Rússia”.

Por isso, pergunto-me, por que mistério perverso de iniquidade é que Papa após Papa falhou ou recusou fazer o que o Céu pediu? E depois chegamos a Francisco. Todos pensámos que, finalmente, o Papa anunciou que vai consagrar a Rússia ao Imaculado Coração, e os bispos vão juntar-se a ele. E isto será, finalmente, paradoxalmente, por parte deste Papa destruidor, o cumprimento do simples pedido de Nossa Senhora em Fátima. Rufar de tambores. E, no dia, eis o que ouvimos. Por isso, Mãe de Deus e nossa mãe, a teu Imaculado Coração, solenemente confiamos e consagramos a nós mesmos, a Igreja e toda a humanidade, especialmente a Rússia e a Ucrânia. E não, não, a Rússia recebe uma menção honrosa no final de outra lista de lavandaria. Porquê? Porquê? O que explica este fracasso resoluto? E não é curioso, aliás, que cada vez que se faz uma destas cerimónias, dizem-nos que a consagração foi eficaz, depois dão a volta e tentam de novo. E depois dizem-nos que a consagração está feita, e depois voltam atrás e tentam outra vez. Contei qualquer coisa como 14 tentativas. E esta mais recente, digamos que é um duplo quando precisamos de um home run. Eu estava otimista em relação a isso. Pensei, bem, quero dizer, há uma menção à Rússia, embora seja uma menção honrosa, juntamente com outras coisas. Vamos ver o que acontece. Vamos ver quais são os frutos. E os frutos são a Terceira Guerra Mundial. Essencialmente. Essa é a resposta do Céu para essa última tentativa falhada.

Por isso, o Senhor disse à Irmã Lúcia que não faria a conversão da Rússia sem a sua consagração específica, precisamente porque tinha de ser reconhecida como tendo sido realizada pela mediação do Imaculado Coração, para que a devoção a fosse facilitada em todo o mundo. Toda a gente veria que a Rússia, depois de ter sido consagrada ao Coração Imaculado, sofreu uma conversão milagrosa. Não haveria dúvidas sobre o assunto. Como no caso do milagre do sol, ninguém teria de dizer a ninguém que tinha acontecido um milagre. Como os 70.000 que viram esse milagre, eles sabiam que ele tinha acontecido, e ninguém poderia dizer-lhes o contrário. Mas, hoje, uma humanidade incrédula e enraizada no pecado terá claramente de ver nada menos que uma causa e um efeito milagrosos para acreditar na eficácia da intervenção da Mãe de Deus. E assim o Céu continua a esperar a consagração da Rússia e só da Rússia.

Terceira parte do Segredo

O que me leva ao terceiro segredo de Fátima. Esta é a terceira parte do grande Segredo que passou a ser conhecido como o Terceiro Segredo. Ora, o Vaticano, em 26 de junho de 2000, revelou uma visão enigmática. E na visão, vemos o seguinte. Numa cidade meio arruinada. Vemos um Papa a escapar vivo por pouco. Ele dirige-se para o topo de uma colina, deixando para trás uma cidade cheia de mortos. No cimo da colina, ajoelha-se perante uma cruz feita de casca de cortiça. Um pormenor curioso. E enquanto está ajoelhado, é assassinado por um grupo de soldados que lhe disparam balas e flechas. Recordo-me da observação de Einstein de que a próxima guerra mundial, depois da Terceira Guerra Mundial, será travada com arcos e flechas porque as armas normais terão sido destruídas. Este é um relato bastante pormenorizado da execução de um futuro Papa. E na mesma visão, Lúcia explica que vimos uma figura de branco. Tivemos a impressão de que era o Santo Padre, apenas para dizer mais tarde que o Santo Padre foi executado. Haverá dois bispos vestidos de branco a residir no Vaticano na altura em que se cumpre esta profecia?

A Igreja esconde uma parte do Segredo?

Agora, o que é que sabemos sobre o problema com esta visão? Não há uma única palavra de explicação da Santíssima Virgem Maria. Ela explicou algo tão óbvio como o inferno aos três videntes. Eles sabiam o que estavam a ver, mas ela disse-lhes: “Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores. Nada. Nem uma palavra de Nossa Senhora. Nem uma palavra de Nossa Senhora para explicar esta visão enigmática. Mas foi-nos dito que o Cardeal Sodano iria interpretá-la para nós, o prelado do Vaticano, envolvido em vários escândalos seria o Oráculo de Fátima. Agora, o facto de terem tido de arrastar o Cardeal Sodano para explicar esta visão é, por si só, uma prova. Eu diria que é a prova A, de que algo está obviamente a faltar. E o que é que está a faltar? São as palavras da Virgem que seguem o que a Irmã Lúcia escreveu no seu quarto livro de memórias. Citação: Em Portugal, o dogma da Fé será sempre conservado (reticências). Quando lhe perguntaram sobre esta frase reveladora, que é obviamente o início da explicação da Santíssima Virgem sobre o que acontece ao dogma no resto da Igreja, o Cardeal Bertone disse, bem, na minha opinião, penso que se refere à segunda parte dos acontecimentos secretos do século XX, a qual qualquer pessoa com alguma percepção diria imediatamente, o que quer dizer, na sua opinião? Não perguntou à Irmã Lúcia o que é que a Virgem disse depois, etc.? Claro que perguntou. E é claro que ele sabe a resposta. E é claro que ele nunca nos vai dizer a resposta. Ele nunca nos iria dizer porque a resposta não é a que eles querem que nós ouçamos. Por isso, que ninguém dê crédito à afirmação ridícula do Cardeal Sodano de que a visão de um Papa a ser executado fora de uma cidade em ruínas cheia de mortos significa que João Paulo II escapou à morte às mãos de um assassino solitário na cidade de Roma perfeitamente intacta. Recorde-se o que Bento XVI disse há 13 anos. Voltei a essa citação. O segredo, disse ele, diz respeito a acontecimentos futuros que com o tempo se desenvolverão e se tornarão claros. E está relacionado com a realidade de que os piores ataques à Igreja vêm de dentro, por causa do pecado dentro da Igreja, relativamente ao qual não há qualquer referência na visão isolada. Então, onde é que ele foi buscar esta visão? Obviamente, das palavras que se seguem. Em Portugal, o dogma da fé será sempre preservado.

Não tenho tempo para passar em revista 33 razões que compilei ou 101 razões para duvidar do relato do Vaticano e chegar à conclusão com certeza moral de que há um texto em que a Virgem explica esta visão, não o Cardeal Sodano, mas a mãe de Deus. E o que é que o anjo na visão do Terceiro segredo declara? Três vezes quando chamas de destruição emanam da sua espada. Chamas que a Virgem repele, mas não antes da destruição que vemos. Ele diz uma palavra três vezes. Penitência, penitência, penitência. E o que disse o Cardeal Ratzinger como Papa Bento na sua peregrinação a Fátima relativamente ao terceiro segredo? É altura de reaprender os princípios básicos da fé. Ele diz que o segredo é um aviso sobre o pecado dentro da Igreja. Precisamos de aprender a necessidade da conversão e da penitência e a justiça de Deus. Tudo isso está no texto que não vimos. Estou convencido disso. E nos 13 anos que decorreram desde as revelações do Papa Bento XVI sobre o segredo, não encontramos confirmação de que, como o Cardeal Luigi Ciappi, o teólogo papal, a cinco papas diferentes, revelou, cito, no terceiro segredo, lemos, entre outras coisas, que a grande apostasia da Igreja começa no topo. E creio que esta pergunta responde a si própria.

Aparições posteriores

E se olharmos para as aparições posteriores, temos de considerar as aparições posteriores às de 1917. No dia 10 de dezembro de 1925, Nossa Senhora apareceu à Irmã Lúcia em Pontevedra, Espanha, prometendo assistir no momento da morte com todas as graças necessárias para a salvação, o que praticam a devoção do primeiro sábado, recebem a Sagrada Comunhão, rezam cinco dezenas do Rosário, fazem-lhe companhia durante 15 minutos, meditando os 15 mistérios do Rosário com a intenção de me reparar. A 13 de junho de 1929, apareceu à Irmã Lúcia em Tuy para dizer: chegou o momento em que Deus pede ao Santo Padre que faça, em união com todos os bispos do mundo, a consagração da Rússia ao meu Imaculado coração, prometendo salvá-la.

Rianjo

Por este meio, outra aparição posterior lança luz sobre o prazo de Deus, à falta de uma palavra melhor. Em agosto de 1931, Nosso Senhor apareceu à Irmã Lúcia, enquanto ela rezava numa capela em Rianjo, Espanha e disse-lhe: “Faz saber aos Meus ministros que, dado seguirem o exemplo do Rei de França, retardando a execução da Minha ordem, eles o seguirão na desgraça”. Ele estava a referir-se ao pedido feito aos reis franceses em 1689 por Ele à Irmã Margarida Mary Alicoque para consagrar publicamente a França ao seu Sagrado Coração. Exatamente no mesmo dia, 100 anos mais tarde o Rei de França foi destituído da sua autoridade, para mais tarde ser executado enquanto a Revolução Francesa espalhava violência e terror por toda a irmã mais velha da Igreja. E pergunto-me se Deus, na sua misericórdia, terá emitido um segundo aviso de 100 anos em Fátima. Estamos a aproximar-nos rapidamente do 100º aniversário do pedido para a devoção do primeiro sábado, 10 de dezembro de 2025, e do 100º aniversário do pedido para a consagração da Rússia, 13 de junho de 2029, ou seja, exatamente três anos e meio entre estas duas datas. E todos nós conhecemos as implicações apocalípticas do período de tempo. Três anos e meio, o tempo da tribulação, e a duração da vida pública de nosso Senhor.

Portanto, estamos atrasados. Estamos muito atrasados em obedecer aos mandamentos de Nosso Senhor. É por isso que a mensagem é tão urgente. Neste momento, acontecimentos terríveis estão a desenrolar-se diante dos nossos olhos, como a Igreja nunca testemunhou. Mas, recordando o que o Senhor disse à Irmã Lúcia, nunca é tarde demais para recorrer a Jesus e a Maria. O que nos leva a um plano de ação. Em conclusão, deve ser evidente, apenas a partir destas breves indicações, que a mensagem de Fátima é a solução do Céu, a solução para a crise que nos aflige atualmente. Nunca é demasiado tarde para recorrer a Jesus e Maria, mas temos de agir agora. Como vimos, Nossa Senhora profetizou que a mensagem se cumpriria e que o seu coração imaculado triunfaria, e, enquanto esse resultado final está assegurado, quão terríveis serão os castigos espirituais e físicos que teremos de suportar antes disso. Quantas almas e vidas se perderão?

Akita

Consideremos as aparições de Akita, da Irmã Sasagawa, que conheci no Japão. A essência dessa aparição foi o aviso de que, se os homens não mudarem os seus caminhos, choverá fogo do céu e destruirá grande parte da humanidade. Os vivos invejarão os mortos. Os cardeais opor-se-ão aos cardeais, os bispos opor-se-ão aos bispos. Os altares serão saqueados e os padres que forem fiéis à sua vocação serão perseguidos. Quando questionado sobre esta visão pelo embaixador das Filipinas no Vaticano, o então Cardeal Ratzinger disse: É essencialmente a mesma que a mensagem de Fátima.

Plano de ação

Ora, a relação misteriosa entre a graça e o livre arbítrio significa que depende de nós participar nas atividades que evitariam essa catástrofe final. E o que é que isso significa, em termos práticos? Obviamente? Número um, deixar de ofender a Deus e emendar a nossa vida. No máximo. isso significa evitar o pecado mortal, permanecendo em estado de graça. Em segundo lugar, rezar o terço todos os dias. E se não o fizer, ao menos, então está ausente. Um desertor. E falo como alguém que teve de viver quantos anos, décadas, antes de desenvolver o hábito. Esse é o mínimo que podemos fazer. Consagra-se em terceiro lugar, ao Imaculado Coração de Maria. Reze e sacrifique-se. Faça todo o sacrifício que puder pela intenção de que o Papa e os bispos consagrem a Rússia, como é pedido pelo Céu. Use fielmente o escapulário castanho. Sei que todos nós o fazemos e viva castamente, de acordo com o seu estado de vida. Pode recitar o pequeno ofício da Santíssima Virgem Maria, se não o rosário, oferecer oração e penitência. Cumprir com alegria os vossos deveres quotidianos. Não fuja às suas obrigações para com a sua família. Faça o que tem de ser feito.

Devoção do primeiro sábado

Em seguida, pratique a devoção do primeiro sábado. Faça-o pelo menos cinco vezes, e diga aos outros que a façam pelo menos cinco vezes, cumprindo assim o pedido de Nossa Senhora. O Centro de Fátima está a lançar um desafio do primeiro sábado aos católicos de todo o mundo, um ramalhete espiritual para a realização de 100.000 primeiros sábados até ao 100º aniversário do seu pedido para essa devoção, 10 de dezembro de 2025. Agora, não podemos forçar o Papa e os bispos a consagrarem corretamente a Rússia ao coração da Imaculada, mas podemos ajudar a cumprir o pedido de Nossa Senhora esquecido de Fátima, como alguns lhe chamam. Através da realização do primeiro sábado de devoção. O Fatima Center vai criar uma página web na qual se pode registar a realização dos cinco primeiros sábados em apoio a essa campanha. Depois de fazer cinco para si, tente fazer com que outros façam cinco primeiros sábados e visitem fatima.org. Por volta do início do Advento, haverá um sítio Web onde poderão obter as informações para essa atividade prática.

A família

Por fim, alguém fora da sala referiu que intrínseco à mensagem de Fátima está o tema da família. Por isso, a 7ª receita, diria eu, é para os mais novos terem muitos filhos. Tenho participado em programas de rádio, podcasts, apresentações em vídeo e dirijo-me tanto a católicos como a protestantes. E uma coisa que tenho sempre o cuidado de dizer é, oiçam, se estão a praticar qualquer forma de contraceção, não têm qualquer direito de se queixarem do resultado de qualquer eleição. Porque se tivessem cinco filhos ou seis filhos ou sete filhos na altura em que o poderiam fazer, os Democratas nunca poderiam ganhar uma eleição. Por isso, não me contem a vossa história de infortúnio sobre o resultado da política quando se tem dois filhos. Quando eu era advogado, as pessoas vinham ao meu escritório quando eu tinha uma prática geral, não o trabalho sobre liberdades religiosas que tenho feito desde o início dos anos noventa, e tinham problemas de falência, problemas financeiros de todo o tipo. E eu dizia-lhes, esta é a forma de o fazer, não o capítulo 13. Tenham mais filhos e depois terão mais dinheiro. Eles olhavam para mim como se eu fosse louco, mas senti que tinha o dever de lhes dizer isso. Tenham filhos. Essa é a sétima e última receita. Repovoem o mundo com católicos e vejam o mundo começar a renovar-se de novo.

Portanto, para terminar isto, ao realizar estes actos de devoção e reparação e ao exortar outros a fazê-lo, nós ajudaremos a merecer as graças necessárias para que a Igreja estabeleça a devoção mundial ao Imaculado Coração de Nossa Senhora, através da consagração da Rússia, o consequente triunfo do seu Imaculado Coração, a verdadeira e integral restauração da Igreja e a paz no mundo. No final, o coração imaculado de Nossa Senhora triunfará de facto. A minha única esperança é que todos nós vivamos para o ver. Obrigado e Deus vos abençoe.

Partilhar:

Outros Artigos:




Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mostrar botões
Esconder botões